Tesouro Direto: Saiba o que é, como funciona e qual a sua rentabilidade para 2021

Já pensou em investir no Tesouro Direto, mas não sabe bem como ele funciona? Suas dúvidas acabaram! Confere nosso artigo.
Tesouro direto: saiba o que é, como funciona e qual a sua rentabilidade para 2021

O investimento no Tesouro Direto chamou muito a atenção dos brasileiros nos últimos anos, principalmente pela rentabilidade, que é maior à poupança, e pela segurança.

O que é o Tesouro Direto?

Tesouro Direto: emissões superam resgates em R$ 807,07 milhões em junho |  Poder360

Tesouro Direto é um título de emissão do governo federal. Você investe o seu dinheiro e vai receber acrescido de juros na data de vencimento, a qual é definida no momento da compra.

Assim, os títulos do Tesouro tornaram-se uma das estrelas da renda fixa. E isso não é por acaso, você consegue dar início aos investimentos nesses ativos por valores perto de  R$30.

Publicidade

Além do mais, o risco dessas operações é muito baixo porque o emissor é o governo federal.

Seja o seu planejamento financeiro de curto, médio ou longo prazo, saiba que o Tesouro Direto tem várias opções para você.

No entanto, antes de investir, você deve entender como funcionam os títulos do governo, quais são as taxas do Tesouro e qual nota é mais adequada para sua carteira.

Como o Tesouro Direto funciona?

Como já informado, o Tesouro Direto é um título de renda fixa do governo, que é emitida pelo Tesouro Nacional, órgão do governo federal vinculado à Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Portanto, qualquer pessoa consegue “emprestar” dinheiro ao governo investindo em um título do Tesouro Direto. E a compensação pode ser fixa, pós-fixada ou híbrida.

A seguir, vamos explicar as opções de títulos do governo para investir no Tesouro Direto.

Qual é a rentabilidade direta do Tesouro hoje?

O Tesouro Direto possui títulos junto à inflação e à taxa básica de juros, a taxa Selic, além de opções de remuneração prefixada, definidas por indicador pactuado contratualmente.

Nesse sentido, com a Selic em patamares cada vez mais baixos, a rentabilidade do Tesouro Direto é menor do que há alguns anos atrás.

A taxa básica é de 2% ao ano, o que permite um retorno próximo ao do Tesouro Selic, que é um dos métodos propostos.

No entanto, tendo em conta o efeito dos impostos, esta rentabilidade pode apresentar ligeiras variações decrescentes. Mas essas são apenas projeções, é claro.


Encerra em 13:00

Cartão que pode te liberar R$ 250,00 de limite.

Mais de 75256 pessoas já solicitaram o seu

* Sujeito à análise de crédito.

Para saber o retorno de um investimento, é necessário levar em consideração o fato de que a inflação está estimada em 4,35% ao ano, de acordo com o Boletim Focus de 11 de dezembro de 2020, que pode fazer com que o retorno dos títulos esteja vinculado a isto.

Além do mais, o Tesouro IPCA +, indexado à inflação, conta ainda com uma parte prefixada, o que pode subir a rentabilidade do investimento.

No cenário de hoje em dia, com taxas de juros mais baixas, o Tesouro Direto, como a grande parte dos produtos de renda fixa, tende a ter um rendimento menor.

Isso não significa que esses investimentos não sejam mais atrativos, eles só precisam estar alinhados aos seus objetivos.

O Tesouro Direto segue sendo uma opção boa  tanto para quem está iniciando e necessita de investimentos mais seguros, quanto para investidores mais experientes, para diversificar seu portfólio.

Como Funcionam e quais são os títulos do Tesouro Direto?

O Tesouro Direto age como um empréstimo do investidor ao governo federal em troca de um percentual das taxas.

Apesar da reorientação dos recursos captados em obras de infraestrutura, os títulos não são a principal fonte de financiamento do país.

O programa teve sua criação por meio de uma parceria entre o Tesouro Nacional e o B3 (Brasil, Bolsa Balcão) com o intuito de contribuir para a educação financeira de investidores.

Para investir no Tesouro Direto, você precisa  estudar cuidadosamente todas as alternativas que estão disponíveis no mercado – que variam conforme com a temporada – e as peculiaridades de cada título.

Siga lendo para aprender mais sobre os diferentes tipos de aplicativos.

Selic do Tesouro (LFT)

A Letra Financeira do Tesouro (LFT) é uma forma de aplicação em títulos de renda fixa com rentabilidade diária junto com a taxa básica de juros da economia.

Esse tipo de aplicação é popularmente conhecido no mercado como Tesouro Selic.

Tesouro Prefixado (LTN)

Oficialmente conhecida como Títulos do Tesouro Nacional (LTN), é a forma mais comum de aplicação no Tesouro Prefixada.

A maior diferença deste tipo em relação à LTN simples é que aqui há um pagamento periódico dos ganhos.

Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

Existe também um método de investimento no Tesouro Direto que usa os valores da inflação como índice de rentabilidade.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B)

Notas do Tesouro Nacional Série B é o nome que foi dado às obrigações do Tesouro direto que rendem com base na inflação e deixam uma retirada de lucros semestral.

Leia também: Descubra como bloquear o seu cartão de crédito em caso de furto

Procurando cartão…